Entenda a diferença entre psicólogo, psiquiatra e psicanalista

Entenda a diferença entre psicólogo, psiquiatra e psicanalista

Muitas pessoas têm dúvidas sobre as diferenças entre psicólogos, psiquiatras e psicanalistas. Apesar de todas tratarem transtornos mentais, cada uma das três áreas têm suas peculiaridades e métodos de atuação diferentes, além de formações distintas. Veja a seguir:

Psicologia
Para se tornar psicólogo, é preciso concluir a graduação no curso de Psicologia, área que se ocupa de psicoterapias e psicodiagnósticos. O psicodiagnóstico é elaborado a partir de entrevistas e realização de testes com o paciente e se diferencia do diagnóstico médico, por ser uma técnica exclusiva do psicólogo (psiquiatras não podem aplicá-los).

Antigamente, a Psicologia tinha o foco em áreas como clínica, escolar e industrial, hoje essa ciência é demandada por outros campos também, como jurídico, esportivo e social.

Psiquiatria
O psiquiatra é um profissional licenciado em Medicina, com especialização em transtornos mentais. Diferentemente da Psicologia e da Psicanálise, um tratamento psiquiátrico pode fazer uso de remédios que auxiliem no tratamento. “Com o avanço dos remédios que dispomos hoje em dia é possível tirar pacientes da crise mental em até dois meses, o que antigamente podia durar anos”, detalha Luiz Carlos Villafont, primeiro-secretário da Associação Brasileira de Psiquiatria.

O médico, além do atendimento hospitalar-institucional, também pode atender em consultórios, ambulatórios e centros de atenção psicossocial. Tanto na rede pública ou de modo privado.

Psicanálise
A Psicanálise surgiu dos estudos e investigações de Sigmund Freud, médico neurologista do século XIX, e se ocupa da compreensão e análise do homem. Exclusivamente por meio de diálogos, o psicanalista procura a cura para as enfermidades físicas e mentais do paciente.

“A psicanálise é a cura através da fala. Conversando com o psicanalista, o paciente apresenta seus sintomas e revela informações que podem ser utilizadas na própria solução do caso dele”, diz o psicanalista e vice-presidente da Associação de Psicanálise da Bahia, Cláudio Carvalho, a respeito do método de tratamento.

Fonte: Terra Notícias

Adicionar Comentário

O seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados*

dezesseis + sete =