Como reduzir o risco de morte súbita em bebês
Voltar

Como reduzir o risco de morte súbita em bebês

27 de junho de 2019

A Síndrome da Morte Súbita Infantil, ou Síndrome da Morte Súbita do Lactente (também conhecida como “morte do berço” ou Sids, da sigla em inglês), não é uma doença específica, mas, sim um diagnóstico que os especialistas dão quando um bebê aparentemente saudável morre sem explicação. Quando nem os médicos nem a autópsia conseguem explicar a causa da morte, ela é classificada como morte súbita. A grande maioria dos casos atinge bebês com menos de 6 meses de idade.

No Hemisfério Norte, ela parece ser mais comum que no Brasil, embora exista a possibilidade de aqui os casos não serem adequadamente registrados para fins estatísticos, já que o registro exige a realização de necropsia. Nos Estados Unidos, por exemplo, cerca de 1600 bebês morrem por ano dentro das características da SIDS. A maioria das mortes acontece durante o sono, à noite, mas nos EUA entre 15 e 20 por cento dos casos ocorrem ao longo do dia em creches, escolinhas e berçários. Por isso é importante garantir que as regras de segurança no sono estejam sendo cumpridas nesses locais.

Os bebês também correm risco, durante o sono, de acidentes como sufocação e estrangulamento. Veja abaixo algumas recomendações da Academia Americana de Pediatria que podem reduzir os riscos, inclusive no caso de cama compartilhada.

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Baby Center